quarta-feira, 22 de abril de 2009

Quem está certo?

A discussão sobre as mudanças na feirinha, que já começa a ficar batida, ganhou novo dado que pode mudar certos rumos. Um dos argumentos usados por aqueles que defendem algumas mudanças é a questão do horário. Divulgaram que após as 23h, há um aumento de criminalidade e que este seria o horário para o encerramento da feirinha, por segurança dos próprios frequentadores.

Mas na tarde desta quarta-feira, a Polícia Militar, através do sua Assessoria de Comunicação, enviou à imprensa um comunicado. Ela enfatiza que em momento algum foi chamada para entrar nas discussões sobre o assunto, em nenhum debate, e que muito menos divulgou dados estatísticos de índice de criminalidade. A previsão de policiamento na feirinha, pelo comunicado, é das 19h às 1h.

"O 25º BPM esclarece ainda que não há aumento de registros de ocorrência após as 23 horas, considerando que, há uma redução do número de pessoas circulando pelas ruas e que não é feito o recolhimento do efetivo policial lançado. Assim, torna-se possível a execução de um maior número de ações e operações preventivas, o que, comprovadamente tem reduzido o índice de criminalidade em Sete Lagoas", segundo o comunicado.

Cabe então aqui uma pergunta. Qual foi a fonte daqueles que afirmaram que havia um aumento de criminalidade no local após as 23h? Será que a mentira tem pernas curtas?

7 comentários:

Stefano disse...

Só pode ter sido o criminoso! Se não foi a polícia, detentora dessas informações, só pode ter sido um criminoso da região, que mantém um banco de dados, com seus horários prediletos de surrupiar. As más línguas dizem que a história é outra e envolve um parente de um determinado político, que se sente incomodada com a feirinha. Mas isso...só saberemos no juízo final.

Anônimo disse...

Na realidade é que tem uma família tradicional da cidade que detem vários imóveis naquela região, e o movimento tira a tranquilidade deles, por isso eles querem acabar com a feirinha, uns deles até derrubou uma casa na orla da lagoa para diminuir mais um possivel ponto de barzinho.E é eles que estão mandando agora. Eles querem que Sete Lagoas volte a ser igual era trinta anos atrás. A desculpa é a crise econômica.
Ass. Roberto Silva

Anônimo disse...

Nunca ví nada parecido antes. Esta administração com menos de 4 meses já acabou. Prefeito e\ou secretário ser desmentido pela polícia. É por isto que digo, Maroca, o fraco, já finou antes mesmo de começar.

Anônimo disse...

A que ponto chegamos. PM desmente PM. Não se assustem. É a PM Policia Militar desmentido a PM Prefeitura Municipal. Este governo desmoralizado por seus atos e principalmente pela falta deles. A feirinha, com todo o respeito, é questão pequena para o momento economico e social que a cidade atravessa. Governo incompetente e fraco desvia o foco de sua inação para discutir o incomodo(?) que o povo que o elegeu provoca nos seus parentes e colegas de elite(?).

Anônimo disse...

Arroto diz: A comunicação do Executivo funciona como aquela velha história dos 3 macaquinhos, cego , surdo e mudo. E como adoram Macaquices, pagam mico e nem sequer convidam a PM para Participar dos novos rumos da feirinha . É de comer bananas esse papo de surdo e mudo. E o pior: O Executivo das bananas 7 ta ai pra quem quiser comer ou escorregar.

Robson disse...

Os incomodados:

Já que ninguém deu nome aos bois vou dar umas dicas sobre que são os incomodados com a feirinha. Vamos lá:

• Herdeiros do Euro Andrade, incluindo um vereador, que são os donos de um lote de mais de 2000m2 incluindo uma casa em estilo clássico que vale uma fortuna;
• O Presidente de uma Autarquia municipal que mora na cobertura do prédio em frente a feira;
• Um mega comerciante que mora no mesmo prédio e foi financiador da campanha do Maroca, inclusive emprestando o imóvel onde foi o comitê eleitoral;
• A família do Maroca que mora no local há duzentos anos;
• Os primos e financiadores de campanha do Prefeito que moram e possuem vários imóveis na orla da lagoa;
• Uma proprietária de Cartório ($$$$) que também deu uns trocados para a campanha;
• Dois concessionários de veículos que possuem imóveis na orla e pretendem explorar a hotelaria de luxo;
• Um proprietário de Hotel que não se cansa de dizer que “se pobre fosse frango comeria uns cinco por dia”;

Posso afiançar aos blogueiros que esses incomodados representam 99% do Produto Interno Bruto (PIB) de Sete Lagoas.

O bom de ser pobre (se isso é possível) é que podemos azucrinar, todas as sextas e sábados, o sossego desta elite retrógrada e carcomida de Sete Lagoas.

Oba!!!!!


Robson

Anônimo disse...

Arroto diz: Enquanto isso Maroca pergunta "Meu Deus,por que me abandonaste?
-Porque vocÊ não existe."