quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Campanha exteporânea

De tudo que ouvimos hoje do programa de entrevista do João Carlos na rádio Cultura, só temos uma certeza: foi uma hora de campanha exteporânea do pré-candidato a Deputado Estadual, o ex-prefeito cassado, Ronald, o Cana Brava. De restante, somente com o tempo poderemos averiguar a veridicidade.

A começar pela própria candidatura, pelo PMN, partido também do presidente da Câmara, Duílio de Castro, que também é declaradamente pré-candidato a deputado estadual. Há quem afirme que Ronald, o Cana Brava, está impedido de ser candidato ainda nestas eleições, após sua cassação. DO outro lado, ele afirma que tem todas as condições políticas para isso. A verdade virá à tona, quando a candidatura for ou não homologada pelo TSE. Como cada um diz uma coisa, então, só no final saberemos a verdade.

De restante, ele usou o tempo para, além de fazer campanha, acusar tanto o Ministério Público, quanto a Câmara Municipal que o cassou, de perseguição. Ele disse que seu processo foi orquestrado por forças ocultas (olha ela ai de novo!!!), mas em nenhum momento falou das acusações que recaem e sobre os processos que correm na justiça. Além disso, Ronald, o Cana Brava, ameaçou o MP de revelar novas fitas com conteúdos bombásticos. Se for como a anterior, não passa de um traque.

Ele calcula que precise de 25 mil votos para se eleger. Se formos considerarmos a sua última votação, quando ele foi reeleito de forma apertada do atual prefeito Maroca, em 2004, Ronald, o Cana Brava, vai ter que andar muito. Afinal, naquela ocasião, ele teve pouco mais de 30 mil votos. A considerar que ele não está mais na posição de prefeito, e não tem a máquina em suas mãos, é melhor ele comprar muitos bons sapatos.

Agora é esperar que a justiça considere ou não a sua entrevista como propaganda exteporânea. Pois seria mais um processo nas costas do ex-prefeito. A equipe completa de dois jornalistas deste blog defende que Ronald, o Cana Brava, seja candidato nas próximas eleições, caso não tenha impedimento político. Desta forma ele terá seu veredicto final: nas urnas. Ou volta pelo voto, ou segue o caminho de Marcelo, o Cecê, Leonidos e companhia.

2 comentários:

Stefano disse...

O que precisa ser apurado, não só aqui em Sete Lagoas, mas em várias localidades, é os candidatos médicos que usam o serviço público como forma de campanha. Alguns atendem 10 consultas/dia em épocas comuns e em período eleitoral passam a fazer 70 consultas/ dia ou mais. Primeiro temos que observar a qualidade dessas consultas, depois temos que apurar o uso do cargo público com fim eleitoral. Não é uma acusação a ninguém especificamente, mas uma constatação. O MP tem que ficar de olho nisso. E o povo tem que saber que um serviço bem prestado é obrigação e não favor.

Anônimo disse...

Ronaldo Cana Braba......
ilusionista, revanchista, etilista.

QUEM NÃO TE CONHECE QUE TE COMPRE....