quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Situação precária

É notícia no portal do Ministério Público. A prefeitura de Sete Lagoas foi obrigada a assinar um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o objetivo de combater o avanço da dengue mais seriamente. A cidade tem um dos maiores índices de notificações do Estado, uma triste liderança.

Durante todo o ano, os números da dengue não deram trégua. Onde estaria o erro da cidade então? Sabendo que o combate não depende só do poder público, mas também da população, então quem podemos recorrer para não termos mais índices como esses?

É óbvio que a população precisa ajudar, em um combate sistêmico dentro de casa. Todos sabem fazer, não tem desculpa. Mas o poder público também precisa fazer sua parte. Se nem durante as secas, quando teoricamente os focos tem menos chance de aparecer, os índices caíram, imagina agora, em que as águas começam a descer sistematicamente todos os dias?

Neste caso a prefeitura deve ter pulsos fortes, e fazer uma campanha ostensiva, dentro das casas dos moradores, independente de cor, credo, situação financeira ou bairro. Se isto não for feito agora, vamos pagar o preço no início do próximo ano, quando as chances do mosquito transmissor se alastrar é ainda maior.

2 comentários:

Anônimo disse...

E sem contratar empresas criadas na última hora para limpar lotes.

Cláudio J. Gontijo disse...

Colegas.

Sete Lagoas padece do mal do descaso, infelizmente. Inexplicavelmente uma cidade com mais de 220.000 habitantes, próspera, privilegiada em vários aspectos, parece, ainda, viver atrelada a épocas remotas.

Parabéns a vcs pelo texto corajoso e múltiplo.

http://www.vervida.blogspot.com
Verde Vida