segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Pintaram um cenário apocalíptico



Soou muito estranho para estes dois escribas o confronto de informações quanto à situação econômica da administração municipal. Durante coletiva na quarta-feira passada, o secretário de Planejamento, Orçamento e Gestão, Flávio de Castro, falou a membros da imprensa local sobre a previsão de receita e o que realmente está sendo apurado. E é aí que vem o que consideramos estranho. A edição do jornal O Tempo traz a seguinte manchete: "Sete Lagoas à beira da falência".

Mas que falência é esta? Em nenhum momento o secretário falou nada que pudesse levarnos a pensar em tal situação, em tal quadro apocalíptico. Pelo contrário, ele ressaltou até que o próximo ano deve ser melhor, com previsão de melhoria no cenário econômico e chegou a dizer, como está em post abaixo de No Prelo, que gostaria que 2010 fosse transportado para 2009 para que a Prefeitura pudesse respirar.

Ficou no escuro justamente a abordagem, se é que o secretário realmente falou em falência ao tal jornal. Os números apresentados são claros e remetem a dificuldades - como se isso estivesse acontecendo somente com Sete Lagoas. O jornalista Roberto Andrade, do jornal Tribuna de Sete Lagos, foi perfeito em sua abordagem quanto á matéria em questão e listou investimentos e prognósticos de receita para confrontar as informações publicadas e contrapor ao que foi dito - se é que o nosso amigo Flávio de Castro fez tais afirmações -, fica a dúvida.

2 comentários:

Flávia disse...

Sobre estes dados, o jornal ‘O Tempo’ deu chamada de capa dramática: “Sete Lagoas está à beira da falência”. Esta não me parece ser a melhor avaliação. Há dificuldades concretas sim, mas não exatamente falência. Meu temor é que uma hiper-valorização de resultados fiscais deficitários remeta a uma hiper-valorização de uma agenda exclusiva de ajuste fiscal. Eu poria as coisas nos seguintes termos: a verdadeira falência sete-lagoana não está no desempenho da execução orçamentária, mas na baixa resolutividade dos serviços sociais básicos, especialmente os da saúde.(Informação postada no blog do Flávio de Castro, no dia 31/07/09, com o título Contruindo governança e governabilidade)

Como podem ver o próprio secretário contesta a informação publicada em O Tempo, penso então que o jornal se equivocou em sua interpretação.
Abraço
Flávia

Blog de Flávio de Castro disse...

Amigos,
Eu repassei ao jornalista do jornal 'O Tempo' as mesmas informações da entrevista coletiva, mesmo porque eram as que tinha disponíveis. Ele me indagou sobre restos a pagar da gestão anterior e eu repassei-lhe dados da Fazenda, que já eram públicos. O tom da matéria é escolha de quem escreve. Eu não tenho e nem quero ter controle sobre isso. Posso discordar, mas respeito. Isso é democracia e liberdade de imprensa. O curioso é que o tom apocalíptico da chamada de capa não se reproduziu no texto da matéria. Esse me pareceu bastante mais equilibrado.