terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Na contramão?


De início dizemos que este texto é reflexivo. Basta ver a interrogação no título. Mas o que nos levou a tal philosofia de bar foi um projeto de lei apresentado pelo vereador Gilberto Doceiro, que figura entre outras na pauta da reunião ordinária semanal da Câmara Municipal. O tal texto defende o emprego de cinzeiros públicos, ou recipientes para bitucas de cigarro, nas ruas.

Pois bem. No mundo inteiro o que vemos é uma constante campanha no combate ao fumo. Estamos diante a um verdadeiro batalhão em ação, coibindo cada vez mais a ação dos tragadores de fumaça. Recentemente leis pipocaram pelo Brasil, em São Paulo, onde se vê placas que proibem o cigarro em qualquer espaço fechado, no Rio de Janeiro há também uma legislação e Belo Horizonte, que foi mais amena, também. Além disso, nem é preciso lembrar que o governo já há muito proibiu a publicidade de cigarros e impôs aquelas imagens no fundo do maço (se você ainda não viu, por onde esteve nos últimos cinco anos?).

E na outra ponta vem este projeto de lei, que de certa forma incentiva as pessoas andarem pelas ruas a soltar suas fumaças. Não está um pouco de encontro com o que vem sendo aprovado em outros lugares, pergunto ao nobre leitor.

Gilberto Doceiro, um evangélico, é defensor árduo no combate às drogas, junto ao Milton Saraiva, e das boas morais. Será que ele nunca viu estatísticas sobre as morte causada pelo câncer de pulmão? Aliás, será que ele nunca viu o drama de um paciente deste mal que mata mais que as drogas ilegais que ele tanto combate? O vereador, em primeira instância, devia estar pensando na limpeza da cidade, mas deve ter esquecido do terceiro lado da moeda. E que isso pese antes de votar...

Um comentário:

Daniella Simões disse...

Bem, vai saber o que se passava na mente dele na hora que elaborou isso, mas eu tenho um palpite... esses projetos que proibem fumar em locais fechados e que foram notícia em todo Brasil de uma forma pesada, com certeza trouxe indignação aos fumantes, então para "deixar todos satisfeitos" preferiu fazer dessa maneira, mas vai saber...