quinta-feira, 13 de maio de 2010

Até que concederam mais...




Na foto, o secretário Fernando Campos (Educação - de pé) e sentados o prefeito Maroca e o secretário Flávio de Castro (Planejamento)

É, desta vez nossa fonte não projetou a realidade dos fatos e fomos engolidos por um ganho real dos servidores acima dos 4% que No Prelo avaliou. Acontece, e por ser um blog opinativo, temos a prerrogativa também de especular. Não atacamos ninguém e vida que segue. O ganho real médio que deve ser concedido, vejam bem, deve, já que ainda passará pela Câmara - e alguém tem dúvida de que será modificado? - será de 10,5%.

Os números são complexos e pelo que apresentaram nesta quarta-feira o prefeito Maroca e os secretários Flávio de Castro (Planejamento) e Fernando Campos (Educação) está dentro da realidade financeira do Município. Só com os novos índices será gerado um impacto de até 14 milhões de reais no orçamento, que terá que ser equacionado até o final do exercício. Como isso será feito ainda não foi divulgado, mas mesmo que não queiram criar alarde e falar no momento, fatalmente haverá cortes na folha - entendam como quiserem. Não está nem perto daquilo que pretendem os dignos servidores, que labutam com um salário achatado há vários anos, mas o objetivo, pelo que No Prelo percebeu, é interessante.

A intenção é renivelar os salários e a partir disso conceder o reajuste, jé preparando terreno para o Plano de Cargos e Carreiras - que não c...e nem sai da moita. Esta proposta é diferente do anunciado em 2009, quando críticas ferrenhas foram feitas no meio dos servidores e na Câmara Municipal. Na época, a Prefeitura chegou a anunciar um reajuste de 7%, ou seja, o salário base da época ganhou um abono e chegou ao salário mínimo vigente e diga-se de passagem ninguém no Brasil pode ganhar menos que isso.

Por exemplo, a administração direta trabalha com quatro níveis salariais de acordo com o concurso público realizado na época de Ronald, o Cana Brava. Diante das perdas dos últimos anos, se observa o achatamento dos três primeiros níveis, com salário base em torno de R$ 465,00 e uma lacuna enorme em relação ao quarto, que percebe R$ 703,99. O objetivo é re-escalonar os níveis, privilegiando o salário. Não adianta quem fez concurso para cargo de salário menor, mesmo tendo formação superior, exigir aumento substancial. O que manda é o salário do cargo para o qual prestou concurso.

Com o realinhamento salarial proposto e de acordo com o que foi apresentado na quarta-feira, o índice passa a ser progressivo para os três primeiros níveis da administração direta, que têm salário base de R$ 465,05. O nível “I” ganhará mais R$ 20,00, o “II” R$ 45,00 e o “III” outros R$ 70,00, chegando ao novo patamar salarial base: I – R$ 510,13; II – R$ 536,42 e III – R$ 562,71, com reajustes de, respectivamente 9,9%; 15,35% e 21%. O nível “IV” teve reajuste de 8,10%, passando de R$ 703,99 para R$ 761,42.

Ainda é pouco, os servidores deveriam ganhar mais, mas não vamos, pelo menos aqui, colocar a faca no pescoço de quem quer que seja. Os números estão aí, a análise é de cada um.

4 comentários:

Stefano disse...

Que fortuna! Se trocar a cerveja pela pinga 51, dá pra comprar um litro, dois torresmos e pegar um porre, a seguir tentar suicídio ou encarar a ressaca e continuar sendo professor. Não dá pra mandar um desses secretários inúteis e sua trupe embora, pagando com isso salários melhor? Como é fácil fazer piada nessa cidade.

Anônimo disse...

Depois de uma explanação brilhante dos nossos blogueiros aparece alguem com uma opinião chula dessas. É demais!

Anônimo disse...

Chulo é o salário pago.

Anônimo disse...

Pucha, nunca ouviram falar em isonomia salarial e equidade no que tange a aumentos salariais, sendo que o indice deve ser igual para todos, pois quando diferenciado fica sendo ato discriminatório ao funcionalismo publico e isto implica em ato de improbidade administrativa do executivo, cabendo processo admionistrativo ou até cassação do cargo. No jurídico e os nobres vereadores estão cometendo uma burrada atrás da outra...