terça-feira, 17 de agosto de 2010

Tudo como dantes...

A Câmara Municipal votou proposta de emenda à Lei Orgânica que antecipava a eleição da Mesa Diretora da Casa, do último bimestre para a segunda quinzena deste mês de agosto. Por unanimidade a matéria foi aprovada no dia 13 de julho, última reunião antes do recesso parlamentar. Para valer, a medida precisava ser votada em segundo turno e redação final e como havia sido aprovada por unanimidade em primeira votação, era de se esperar nova goleada em segundo turno.

Pois é, era de se esperar e foi votada por unanimidade, porque não é que as pequenas férias de nossos dignos vereadores fez alguns deles mudar de idéia. O mês de julho foi de pensamentos incessantes para determinados edis, que na volta para a labuta e na votação da proposta resolveram voltar atrás e votar contrários. O assunto deu até bate boca no plenário e acusações de traição. O clima fechou e ficou quente, do jeito que No Prelo e a maioria de nossos leitores gosta.

A proposta foi derrubada por oito votos a quatro. Votaram a favor da antecipação da eleição: Dr. Caio Dutra (PMDB), Gilberto Doceiro (PMDB), João Pena (PMDB), Toninho Rogério (PMDB), Claudinei Dias (PT), Dalton Andrade (PT), Renato Gomes (PV) e Reginaldo Tristeza (PSOL). Manifestaram-se contrários: Milton Saraiva (PP), Dr. Euro Andrade (PP), Dr. Celso Paiva (PT) e Marcelo da Cooperseltta (PMN). Apesar de o voto do presidente não ser considerado, Duílio de Castro (PMN) também manifestou a sua rejeição pela proposição.

Por favor, não nos perguntem o porquê da reviravolta de opiniões, porque esta de votar primeiro de um jeito e depois mudar o discurso é lugar comum para alguns membros da Câmara Municipal. Não estamos nos referindo especificamente aos que mudaram de voto nesta oportunidade, só pensando com nossos botões e relembrando casos passados.

É sabido por todos que entendem um mínimo de política e seus meandros que a eleição municipal passa, necessariamente, pela escolha de quem vai comandar a Câmara no segundo biênio. Quatro seriam os nomes mais fortes: Claudinei Dias e Toninho Rogério de um lado e Milton Saraiva de outro. Tem muito caroço debaixo deste angú, ainda mais levando em conta que em outubro teremos eleições e com participação de personagens desta legislatura. Tudo isso sem contar que 2012 já começou há tempos nesta cidade do Velho Oeste Mineiro, só não vê quem não quer.

6 comentários:

ENIO EDUARDO disse...

Cara Equipe de Dois Jornalistas de No Prelo. É muito simples saber o que aconteceu: Operação derruba proposta patrocinada pelo Executivo Municipal. Quem estava na Câmara (como vocês) puderam observar pelo menos dois telefonemas que o Dr. Celso recebeu, um de sua irmã mais velha e outro do seu irmão Prefeito Maroca, botando pressão para que ele votasse contra a proposta.

Sem entrar no mérito da proposta em tela, dizem que a base da pressão dos irmãos PAIVA, os irmãos do Dr. Celso o pressionaram no sentido de que ele deveria escolher entre a Família e a Política.

Caros jornalistas, esse método de fazer a vontade do Executivo prevalecer é um verdadeiro achaque à nossa inteligência.

Porém uma coisa ficou patente, O Acordo PMDB-PT-PV-PSOL vai eleger o novo mandatário do Legislativo Municipal para o biênio 2011/2012 e isto cheira processo de acordão para as eleições 2012.

Anônimo disse...

Acordão de PMDB-PT-PV-PSOL para 2012 só vinga se for com o PSB, que já tem PCdoB-DEM-PP-PR-PTC. E já ta bem encaminhado. Podem vir ainda PHS-PSC-PSDC e ai o PSDB vai ficar sozinho. Ou no máximo com o PMN e PDT. Quem planta colhe. Já quem plantou e não irrigou não vai colher nada.

Stefano disse...

Era pra termos um central Park na Serra, qualidade de vida, e outro dia vejo um dos candidatos a deputado, dizer que não precisamos de Hospital Regional, isso deve ser, porque ele se elege à custa de atendimentos sazonais, eleitorais e quer que a saúde se exploda, para ele se eternizar no emprego de político.

Ramon Lamar disse...

Cara equipe de DOIS ÓTIMOS jornalistas de No Prelo. Continuem com esse trabalho grandioso que traz mais informações e análises do que jornais escritos conseguiram fazer nas últimas décadas na cidade.
Mas expliquem umas coisas. A antecipação foi rejeitada por 4 x 8? Não entendi. Precisava de unanimidade?
Em tempo, o PT e o PSDB não eram alinhados na eleição do Maroca (aliança doida, né?). O que os separou? Existem partidos políticos em Sete Lagoas? As alianças são sazonais e depois abandonam o navio (ou são enxotados?)?
Socorro, eu só queria entender.

No Prelo disse...

Caro amigo e professor Ramon Lamar,
antes de tudo agradecemos os elogios. Saiba que tem parte nessa veia crítica (ou ácida, como alguns adoram nos acusar) enquanto professor.

Mas sobre as suas perguntas, respondemos com humildade: não sabemos toda a verdade por trás dos panos que se fecham a cada dia na política da cidade.

1- Sobre a votação, vamos pesquisar melhor para saber se teria que ser por unanimidade para a proposta ser aprovada. Com certeza, por maioria simples não era, pois então bastavam apenas 7 votos a favor dela. Assim que tivermos a resposta, publicaremos aqui.

2-Sobre a aliança, há também mais do que simplesmente uma briga partidária. Sabemos que houve um racha no início do ano, com a queda de uma secretária ligada ao PT. Mas vai além disso, pelo que sabemos passa também pela falta de diálogo com a base partidária que apoiou a eleição do prefeito. Mas acho que alguns petistas podem falar mais a respeito sobre o assunto.

Abraços da equipe completa de dois jornalistas.

Ramon Lamar disse...

É necessário ter base para ser ácido.