segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Carta bomba

Publicamos aqui na integra a Carta Aberta ao Prefeito, enviada hoje à tarde a toda imprensa da cidade e assinada pela (ex-)secretária de educação, Maria Lisboa. Já confirmamos com a secretaria de comunicação a veracidade, que nos garantiu ser autêntica. Segue abaixo:

Sete Lagoas, 18 de janeiro de 2010

Senhor Prefeito,

A pergunta recorrente que ouço é: “ por que o prefeito tirou você da
Secretaria de Educação?” Esta também foi a pergunta que lhe fiz, e a
resposta que recebi foi a seguinte: “Sete Lagoas não está preparada
para o seu estilo de fazer política. Você é muito competente, tem
muita experiência e obteve sucesso em outros ambientes, em Belo
Horizonte, por exemplo. Sete Lagoas é uma cidade do interior...”

Discordo categoricamente dessa avaliação. A Sete Lagoas que encontrei
e aprendi a amar veio a mim dizendo que há muito esperava por um
governo efetivamente democrático e que soubesse desenvolver políticas
públicas, e mais, eram cidadãos que sabiam – e queriam - construir uma
democracia. Prefeito, quando você fez opção por ficar no seu gabinete
recebendo “todo mundo”, como você mesmo disse, você foi tomado por
aqueles que sempre freqüentavam a prefeitura – os chamados “piolhos de
gabinete” – para garantir os seus privilégios ou para pedir favores
pessoais. Você foi escolhido pelos seus interlocutores e deixou de
escolher aqueles com quem deveria conversar e governar.

Dizem que governar é um ato solitário, no entanto, com grande esforço
pode se tornar um ato solidário. Para isso, é preciso determinação e
estratégia. Determinação é a expressão da vontade, da vontade de
cumprir os compromissos assumidos, de contribuir para o
desenvolvimento da cidade e é algo que confere ao governante o
estatuto da liderança do grupo que representa. Estratégia é a
construção da possibilidade de realizações, nas circunstâncias
favoráveis ou na adversidade, e mostra a fibra do governante para
enfrentar os problemas ou para aproveitar as oportunidades.

Prefeito, as saídas da Geyse, da Lea e a minha, por falta de outras
explicações, estão sendo interpretadas como um desejo seu, uma decisão
que você retirou do colete , talvez em razão de discordâncias a
respeito da forma de encaminhar as políticas de cada setor específico.
Mas continuo perguntando: por que? Afinal, na campanha eleitoral você
se comprometeu com uma administração diferente, que servisse ao
interesse público, com políticas e critérios construídos de forma
solidária, impessoal, fundados na justiça e que promovessem a inclusão
e a cidadania. Ao expressar, como fez na nossa conversa, que Sete
Lagoas é uma cidade do interior, que não seria capaz de aceitar e
compreender um estilo democrático e progressista, você amesquinhou a
sua cidade, o povo que a habita e o cargo que ocupa. Reafirmo:
discordo da sua opção e lamento que as razões sejam as que você
apresentou, pois, a estatura de um homem público não lhe é dada, ela é
construída com muito esforço e determinação. Assim, não basta dizer
que se quer um governo diferente, mais justo, mais inclusivo, mais
democrático. A esse desejo tem de corresponder ações que garantam que
as decisões sejam orientadas pelo interesse coletivo, voltadas para o
público e destinadas a construir um mundo melhor.

Por favor, não avalie Sete Lagoas pelos grupos clientelistas que
tentam diminuir o valor da cidade e fazer valer seus interesses sobre
as necessidades de todos. Com isso, Prefeito, a cidade pode vir a
perder as chances de mudanças que a sua eleição havia anunciado. Sete
Lagoas é muito maior e os cidadãos que vivem nesta Sete Lagoas, maior
e mais generosa, vão saber diferenciar o joio do trigo, vão saber
identificar aqueles que querem o bem da cidade e aqueles que só querem
se aproveitar do poder..

Por tudo isso, este momento é lamentável!

Maria Lisboa

8 comentários:

ENIO EDUARDO disse...

A carta da Maria Lisboa é serena, calma, com o olhar devido sobre os acontecimentos.
A história é contada por fatos, o Prefeito não deu maiores explicações. Como eu sinceramente imaginava. O negócio do Maroca é tudo menos a vocação para a liderança. A Maria Lisboa deu um tapa de luvas nele. O Maroca está querendo reinventar a política, ou seja, quer governar apenas com os "amigos", ele nega sempre os partidos. O Maroca acha que o Aécio, o Lula, o Obama, governam sem alianças, sem dar a mínima para as demais forças políticas. Não adianta tentar fazer um cavalo empacado andar. O Maroca é o próprio antagonismo com a proposta que o elegeu. Infelizmente, tudo que ele propõe dá errado. Sete Lagoas perde muito com suas atitudes, isto sim é lamentável.

Anônimo disse...

Maria Lisboa ficou muito amargurada com esta demissão e esta usando as palavras do prefeito da maneira que lhe convém. É lógico que secretario nao esta aí para atendimentos clientelista e nem fazer politicagem. Mas, um pouco de boas maneiras nao faz mal a ninguém. Desde o início tenho ouvido reclamaçoes das suas grosserias, comportamento totalmente oposto do prefeito que está sempre pronto para ouvir e tratar com muito carinho a população. Já foi tarde.

Anônimo disse...

Ao anônimo acima. Lisboa é grossa e sem o mínimo de tato com as pessoas. Agora dai justificar o prefeito porque é bonzinho e sabe ouvir e tratar bem as pessoas é demais. Ele pode até ouvir, mas não decide e não atua em nada.
Bonzinho não resolve. Leve ele para sua casa e nos livre desta incompetência reinante.

Anônimo disse...

Ao anônimo acima. Tanto decide que tirou 3 "competentes". Tanto decide que o nome por ele indicado de Cidinha Canabrava para Ação Social esta dando descordância até dos seus diletos secretarios. Tomou papudo!

Stefano disse...

É... quando mais me explicam menos eu entendo. Ela é competente está fazendo um bom trabalho? Disseram que ela é grossa, mas nós queremos uma secretária de educação ou uma secretária educada? Dez vez em quando ao invés de mandar os empregados embora, deveriam experimentar trocar o patrão.

Anônimo disse...

Ao ultimo anonimo:

Só decide sobre pressão. Por ele a Lisboa ficava pelo menos até o fim do mês, em plano janeiro, mês mais importante para a educação. Decide tão rápido que o Cláudio Raposo dos Esportes está demissionário desde agosto e até agora o prefeto Marcola não indicou substituto. Decide tão bem que demitiu a Lea no mesmo dia em que publicou reeleses na imprensa elogiando o trabalho dela. Decide tão bem que demitiu a Geyse na semana em que mandou publicar, com o nosso dinheiro, matérias elogiando ela pela ação no parque da cascata.
Decide tão bem que manteve o Orleans sobre pressão. Decide tão bem que nomeou como novo secretário alguem que não tem experiência alguma na educação pública. As unicas credenciais do novo secretário é ter sido professor das filhas do prefeito "decidido". Vou repetir: leva ele para sua casa e nos livre da lerdeza, indecisão e incompetência.
A propósito: Cidinha Canabrava ainda está pensando se vale a pena associar seu nome a esta incompetencia reinante.

Anônimo disse...

O fato é que Maroca está tão desgastado que até quando demite uma secretária que a grande maioria queria fora, ele sai perdendo. Talvês seja a falta de pulso para agir e principalmente seu modo vacilante de agir. Equipe sem comando não funciona. Não importa as pessoas.

Boto Cinza disse...

Na "carta bomba" de Maria Lisboa dá para ler (nas entrelinhas) uma tremenda dor de cotovelos. E distorções nas “desculpas educadas” do prefeito para demiti-la (Em ambas as partes). Ela tem bom currículo, mas não é insubstituível. Existem inúmeros outros profissionais (menos arrogantes) capazes para ocupar o cargo. Quem trabalha e é pago com o dinheiro do contribuinte tem que ter o mínimo de educação (sem ser cordato) com seu cliente, colegas de trabalho e lideranças. É exigência mínima do bom profissional na área.

Agora, que o prefeito está lerdo para tomar decisões... E já foram 27% do tempo do seu mandato. No final de fevereiro, após o Carnaval, o percentual já será de 29%. O tempo urge. Outras mudanças precisam ser implementadas já, hoje, agora. A saúde da cidade não pode esperar.