quarta-feira, 28 de outubro de 2009

E não é que existia?

Depois de muitos boatos, suspeitas e fofocas, finalmente a tal gravação prometida pelo Ronald, o Cana Brava, apareceu. E ela apareceu logo na Câmara Municipal, local onde ele foi sumariamente cassado, e foi enviada misteriosamente para o líder da oposição na casa, o vereador Caio Dutra, que fez o que pode para ouvir a fita durante a reunião ordinária desta última quarta-feira. mas barrou na resistência do presidente em exercício Milton Saraiva, que substituia Duílio, que estranhamente não compareceu na reunião.

Diante disso, Caio Dutra chamou a imprensa e curiosos (e como havia curiosos) para o seu próprio gabinete, para ouvir a gravação, que segundo ele, não sabia o que continha. E para surpresa (ou decepção), ela não revela nada, não tinha nada muito esclarecedor, e além disso, não serve de prova a nada. A gravação registra uma conversa entre Duílio e Chapinha, que conta a "distribuição" de dinheiro na época jurássica da cassação, assunto já morto. O que nos dá a entender, é que o próprio Duílio não sabia direito a história, pois é ele quem fica perguntando à Chapinha os detalhes. Ele fala de dinheiro recebido por Capanema, a principal testemunha no caso de desvio de combustível. Seria a grande importância de R$1 mil, isso mesmo, 1.000 reais, durante alguns 3 meses. Há outra parte que também fala de um depósito na conta do vereador João Pena, mas não revela a quantidade.

O próprio Ronald, o Cana Brava, em ofício enviado ao Caio Dutra, revela que a gravação foi enviada ao ministério Público e à Promotoria Especializada de Combate à Crime praticados por agente políticos, que não deram a mínima atenção ao conteúdo, provavelmente por não demonstrar nada. Depois de ouvir, ficamos especulando o que queria o ex-prefeito com essa revelação. Junto com nosso amigo Renato Alexandre (Sete Dias) e Celso de Azevedo (rádio Santana), filosofamos por vários instantes o objetivo, e não chegamos a nenhuma conclusão bombástica.

Seria atingir Duílio, que segundo o Cana Brava, sabia de toda a história de suborno e não contou à justiça? Sabemos que ele decretou guerra ao presidente da Câmara recentemente, e ameaça a concorrer pelo mesmo partido para deputado estadual. Ou ele queria sair de vítima dessa história toda?

A gravação, como já dissemos, não tem muita credibilidade, pois não mostra quando foi gravada, e muito menos incrinima praticamente nenhum vereador. Vamos ver o desenrolar dessa história...

4 comentários:

Anônimo disse...

Olá amigos jornalistas. A título de colaboração: a Comissão Processante que cassou Canabrava era presidida, justamente, por Caio Dutra. Na época, Gilmar Antão era o relator e Duílio de Castro o terceiro membro.

Fica a questão: qual o interesse de Dutra nisso tudo, o processo não foi correto?

Ab,
Celso Martinelli

Stefano disse...

O Boneco de Olinda,
Só queria que imprensa passasse a ilusão, de que por uma obra do acaso, o prefeito das pernas compridas foi deposto. Ou seja: UM INJUSTIÇADO.

Flávia disse...

Acho que o anúncio da tal fita pode ter feito mais estragos do que o conteúdo da fita.
Talvez era isso que o Ronald queria... tocar terror!!!
Deve ter tido muita gente de piriri por aí e que agora tá respirando aliviado, mesmo com futum do piriri...
Abraços,
Flávia

Hugo Lyra disse...

Acredito que se a gravação fosse algo de grande repercução, teria sido apresentado muito antes e não na véspera de uma eleição para deputado.